sábado, 19 de dezembro de 2009

Na berma da vida... (reeditada)



Hoje foi o almoço de Natal da empresa onde trabalho, foi um alegre convívio entre colegas. Parti rumo a Lagoa de Albufeira. Já era um pouco tarde, ainda assim, suficiente para captar os tons laranjas que teimosamente pairavam sobre o horizonte numa manifestação inequívoca de um magnífico dia de sol de Dezembro. Parei o carro na berma junto à reserva natural de Lagoa Pequena, tirei uma série de fotografias e segui o caminho de casa.

Por vezes na vida é necessário fazer isto mesmo, parar na berma e olhar em volta, apercebermo-nos com esta paragem de que se o caminho tomado é o correcto, analisar os erros cometidos no trajecto realizado e aí sim, tomar as decisões acertadas do caminho a tomar. São fundamentais estas pequenas paragens para que possamos tomar profundo conhecimento de nós próprios, dos nossos temores, das nossas forças e com elas ultrapassar o negativismo que insistentemente nos persegue e desfaz impiedosamente os nossos mais desejados sonhos. Já parei na berma e olhei em volta, tenho a chave na ignição, falta-me partir... em breve o farei.
Para aqueles cuja interpretação deste pequeno texto lhes suscitou os piores receios, quero aqui deixar explícito que o seu sentido é precisamente o oposto, dar rumo à vida no que mais belo pode ter, viver bem comigo mesmo!

domingo, 13 de dezembro de 2009

À minha maneira...


Sábado, 12 de Dezembro de 2009.

Os planos que inicialmente estavam traçados para este Sábado foram cancelados. Sem outras alternativas passíveis de classificação em torno do interessante, decidi desfrutar da tarde que me restava com um dos simples, mas sempre rejuvenescedores, prazeres da vida. Deliciei-me com a magnífica ambiência que um dia de sol em Dezembro poderia trazer na esplanada de um bar à beira mar. Enquanto almoçava podia observar como colapsavam as gigantes ondas que emergiam de um oceano que mais parecia pacífico. A paisagem desvanecia sob a neblina levantada pela rebentação criando um sublime cenário de mistério...


segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

O rapaz que sonhava voar...


Encostas da Praia da Foz - Aldeia do Meco - Sesimbra

Era uma vez um rapaz que sonhava voar... voar sim, mas pela sua mão, empenhava em cada braçada a energia empregue no nascimento de uma vida, sempre com a ambição de ir mais além, sempre na esperança de poder encontrar aquilo que procurava... Repentinamente tudo acabou, o despertador tocou ferozmente como o toque de alerta para o início dramático de uma guerra, a guerra diária que é a vida na qual ou vencemos ou somos vencidos, era hora de levantar. Hoje, mais uma vez, sonhei que voava simplesmente por minha mera vontade. Tenho este sonho desde criança.
Deixo aqui uma fotografia que tirei hoje pela manhã. Há muito que não saía de casa exclusivamente para fotografar, já sentia saudades desta procura pela imagem que nos traz uma sensação de satisfação por naquele local, naquela hora, poder registar um belo espectáculo de luz e cor, apesar de, ainda assim, muito dever ao verdadeiro cenário natural.


domingo, 22 de novembro de 2009

Real meaning...


Tenho um ajuste de contas a fazer com este local, apesar de me dizer muito, parte dele terá que ser separado do seu verdadeiro significado inicial, é uma questão de crescimento interior... Depois será navegar no desconhecido da vida mas com o sol a iluminar-nos o caminho...

terça-feira, 17 de novembro de 2009

O meu lado mais obscuro...

Ganga de pernas pró ar...


Desculpem-me aqueles que por aqui passam regularmente (não neste beco na Moita mas sim neste recôndito endereço da Internet) acontece que as condições climatéricas adversas dos últimos dias não me têm permitido adquirir material para aqui vos deixar, provavelmente terei de recorrer aos meus arquivos antigos para poder alimentar as vossas visitas nestes dias que por aí vêem. De qualquer modo não posso garantir uma postagem quase diária como até aqui tinha vindo a ser.
Hoje fizeram-me a crítica que muitas pessoas que já visitaram este blog não o tornaram a fazer porque o endereço é difícil e complicado de decorar. Yeeeessssss!... O nome deste blog foi criado por variados motivos: sendo obrigatoriamente único, logo seria algo de muito próprio; o de não ser facilmente encontrado nos motores de busca sem ser especificamente o objecto dessa procura; não ter um nome demasiado óbvio ou banal no mundo da fotografia, enfim... um nome escolhido por mim. Motivos estes com uma única meta, nunca tive a pretensão deste blog ser um espaço amplamente divulgado na rede através de uma busca causal, como por quem vai de visita a uma aldeia turística e dá uma espreitadela na casa de artesanato local numa esquina pitoresca e que nunca mais torna a ver após a partida do autocarro, apostei num nome de difícil acesso porque assim ganharia a visita periódica daqueles que mostrariam unicamente o interesse pelo que aqui exponho.
E assim foi, as visitas diárias provêm quase sempre dos mesmos IP's (descansem, não sei onde moram, apenas sei de que cidade são originárias as visitas), se algum dia este blog tiver alguma notoriedade no meio será devido ao "passa palavra" e nunca pelo resultado fácil de uma procura. Sinceramente não desejo que tal notoriedade aconteça pois a cumplicidade convosco é por demais evidente, muitos de vós são meus amigos, outros meus conhecidos, alguns amigos de amigos, outros serão o que se possa definir por qualquer relação de linguagem binária.

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Outras perspectivas...




Publico aqui estas três fotografias semelhantes a uma outra já aqui deixada anteriormente. Publico estes registos porque gosto dos diferentes enquadramentos e, não fossem estes, pequenos episódios da sequela sapatos vs orvalho...
Analisando agora ao detalhe estas fotografias, chego à conclusão que ainda tenho muito que aprender, ou então, deveria pelo menos estar atento a pormenores fundamentais para se obter uma boa fotografia. A preguiça de montar o tripé é a grande castradora de uma potencial fotografia de destaque (dentro dos meus humildes parâmetros) que a torna numa banal foto de um telemóvel chinês barato. Mais atenção no futuro!

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Melhores dias virão...


Melhores dias virão... digo eu! Há dias fizeram-me a observação de que andava a reflectir na fotografia uma fase mais sombria da minha vida, pois, a fotografia, tal como a escrita, a pintura, e muitas outras formas de expressão, são como um espelho da nossa alma. Na verdade, e fazendo uma rectrospectiva dos posts anteriores, é por demais evidente o elevado contraste e fraca luminosidade mergulhados numa melancolia latente. Uma lição daqui retiro, o que sai das nossas mãos não é mais senão o espelho do nosso estado de espírito, que por mais que nos esforcemos por o ocultar haverá sempre, mesmo dissimuladamente, forma de emergir sob os olhos de quem nos quer bem.
Por tudo isto vos deixo aqui esta fotografia onde a ambiência melancólica reflectida no espelho é subjugada pela luz do farol que nos encaminha na escuridão... a esperança de melhores dias! Quando tirei esta fotografia nem perto estava de imaginar o verdadeiro significado do seu enquadramento. Obrigado minha querida irmã!!!

sábado, 7 de novembro de 2009

Finalmente... Um pouco mais de luz no Cabo...


Já é possível observar dois espectáculos maravilhosos separados por um curto espaço de tempo no Santuário da Nossa Senhora do Cabo, o pôr do Sol e os arcos iluminados por todo o complexo das antigas hospedarias. Finalmente se fez algo digno e merecedor naquele espaço!

Enquanto por ali passeava no final de tarde do Domingo passado reparei nuns projectores implantados na bases dos arcos, fiquei na ansioso por voltar a ver este local, desta vez iluminado.

A ausência de luz cada vez maior obrigou-me a recolher o material e rumar a casa, não sem antes ir até ao farol do Cabo tirar uma fotografia que já tinha idealizado há algum tempo que aqui deixarei amanhã. Agora sim, tinha dado por terminada a minha sessão fotográfica. No caminho de terra batida no regresso do farol, avistei uma clareira de luz nos arcos das hospedarias, pensei inicialmente que este clarão teria origem nos faróis de vários automóveis... mas que bizarra coincidência, seriam bastantes e muito bem alinhados... Fez-se luz!... Tinham accionado o sistema de iluminação que tinha visto anteriormente, simultâneamente uma enorme sensação de euforia me invadiu naquele momento. É difícil descrever o que se sente quando vimos um espaço que nos diz muito, por muitas e variadas razões, ser objecto de uma intervenção que contribui para o seu renascer de uma quase decadência e completo alheamento das políticas de recuperação patrimonial deste país. Durante largos minutos fiquei a admirar, hipnotizado, o espectáculo de luz com que ali me deparei e muitos mais foram os em que me perdi a fotografar. Mais uma vez, o que se seria uma breve visita ao Cabo Espichel tornou-se num forte assimilar de emoções e desta vez houve novidades fundamentais para a preservação daquele espaço.

Muito há ainda a fazer por este Santuário, cujas potencialidades turísticas são incalculáveis, não fosse este um local onde a religião, o exoterismo, o mistério e o próprio espaço se conjugam numa combinação equilibrada que o tornam um dos mais belos locais da margem sul do Tejo.



Há tempos tirei aqui uma fotografia que de certo modo já ia de encontro ao que aqui se vê hoje, seria premonição?...

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Outono, a estação dos ocasos...


De facto esta fotografia não é um ocaso, pelo contrário, trata-se de um nascer do Sol. Aparentemente não existe relação evidente entre o ocaso e o nascer do Sol, mas, tal como são belos os ocasos de Outono, igualmente belos são os levantes desta estação, na minha opinião, superiores até em beleza devido aos seus contrastes bastante acentuados. Para muitos, bastante raros, pois teimam em acontecer horas antes do acordar, pelo que aconselho, nem que seja um dia apenas, a que se levantem bem cedo e assistam a este maravilhoso espectáculo.
Ainda hoje me recordo do meu primeiro nascer do Sol, tinha cerca de 5 anos... As horas daquela noite sobressaltada teimavam em não passar, acordava constantemente esperando que a claridade surgisse no horizonte... Finalmente era hora, levantei-me e saí de casa para ver o nascer da luz que nos ilumina todos os dias e a expectativa com que aguardei aquele momento não foi defraudada. Como disse, ainda recordo esse momento e tenho dúvidas se algum dia o esquecerei... tal como a minha mãe, pois ao acordar deparou-se com a minha ausência e imagino que o susto, pequeno não deve ter sido.

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

A Verdadeira Natureza....


Por mais que possamos pensar que conhecemos o ser interior dos nossos semelhantes há sempre hipóteses das nossas expectativas serem defraudadas consoante as suas atitudes, pensamentos e opiniões, converjam ou não, no sentido dos nossos desejos, sentimentos ou padrões de moral pelos que se regem os grupos da sociedade onde nos inserimos. Digo isto porque, a mente humana, em muitos campos, é uma incógnita e julgo que assim permanecerá por muitos e longos anos.
O facto de alguém se colocar em frente a um espelho não revela a sua verdadeira natureza. A verdadeira Natureza, essa... reflecte com todo o esplendor a sua mais pura essência, uma árvore reflectida nas frescas e calmas águas de uma ribeira, será sempre uma árvore, uma folha será sempre uma folha e o céu será sempre um mundo onde a imaginação e a liberdade não têm limites...

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Orvalho...


Como devem calcular, esta fotografia foi tirada um pouco à sorte. No meio de uma série de disparos, senti uma ligeira humidade nos pés, pois bem, o orvalho matinal tinha invadido completamente o interior dos meus sapatos e meias, tinha-se instalado vitoriosamente entre os dedos dos pés de onde emanava uma galopante sensação de frescura, e enregeladora por sinal! Foi nesse momento que me lembrei que da alteração do ponto de vista a que estamos comummente habituados, poderia resultar uma boa fotografia.
Coloquei a máquina perto do solo e disparei... disparei novamente para enquadrar melhor! Obtive o que procurava... uma fotografia cujo enquadramento resulta de um ponto de vista que raramente visionamos (a não ser quando alguém se espalha ao comprido e, beneficiando da maior proximidade do nível médio das águas do mar, aproveite para apreciar a paisagem), um primeiro plano onde o orvalho é o motivo principal, e três linhas de força bem definidas que encorajam o observador a percorrer toda a fotografia (a cerca do lado esquerdo, o caminho e a vegetação no lado direito). Concluindo o pequeno historial deste registo e aproveitando a onda publicitária do momento: "Se eu podia tirar esta fotografia sem molhar os sapatos e sem fazer, mais uma vez, figura de tótó? Podia... mas não era a mesma coisa!"

terça-feira, 27 de outubro de 2009

Plaza de Toros...



"Plaza de Toros Virgem de Guadalupe", é o que se pode ler na entrada principal desta praça de touros itinerante, ou portátil como muitos lhe chamam. Aproximei-me apenas por particular interesse no nome da praça. Fui dando passos rumo à satisfação da minha curiosidade e, eis que na direcção do nascer do sol, me deparei com a oportunidade de capturar estes dois registos. Não os quero aqui adjectivar sob pena de poder criar a ilusão que estou caminhando rumo a um abismo onde ao fundo se avista uma presunção desmedida e egocêntrica. Afirmo apenas que creio serem ambos, na minha perspectiva, particularmente interessantes.

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Espelho de Outono...


Esta imagem pode inicialmente criar alguns obstáculos na sua percepção, pois bem, tratam-se de reflexos numa ribeira de água extremamente límpida. No canto inferior esquerdo pode ver-se o fundo junto ao leito. Devo dizer que a fotografia encontra-se invertida para criar a sensação que a vegetação brota do chão.

domingo, 25 de outubro de 2009

Domingo, dia de caça...


Domingo é dia de ir à caça ou então, para os mais dedicados à religião, é dia de ir à missa. Pois bem, eu fui à caça! Fui dar uns tiros, embora inofensivos, e como qualquer caçador digno desse nome, levantei-me bem cedo para começar a minha actividade, hoje ainda mais cedo devido à mudança da hora para a hora de inverno, saí de casa às 05h45m...
Nesta fotografia pode ver-se o planeta Vénus, quase oculto por uma nuvem no quadrante superior direito. Este Planeta tem uma particularidade, tal como Mercúrio, sendo um planeta interior (encontra-se entre a órbita da Terra e o Sol) apenas é visível no levante ou no ocaso por um período máximo de três horas (o equivalente à amplitude angular máxima da sua órbita, cerca de 47º, em relação ao Sol, tendo em atenção que rotação da terra é equivalente a 15º horários). Este planeta é vulgarmente conhecido como Estrela da Manhã ou Estrela D'Alva e também por Estrela Vésper, durante a tarde.

sábado, 24 de outubro de 2009

Regresso ao Passado...


Passei bons momentos a brincar com um pequeno barco de cana junto a este tronco durante as minhas férias nas Termas da Sulfurea, Cabeço de Vide. Foi há mais de 25 anos... o tempo passa e não regressa.

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Um pequeno desvio por um mundo virtual...


Não tinha de interessante para aqui colocar, assim deixo-vos o primeiro trabalho que fiz em Photoshop, espero que gostem.

Alvorada Sadina...


Deitar cedo e cedo erguer, dá saúde e... tiram-se umas fotos carregadas de contraste.
Deixo aqui uma imagem do amanhecer tirada do alto do Moinho do Cuco com vista para a cidade de Setúbal, as cores quentes do nascer do sol reflectem nas águas do estuário do Sado bem no centro da fotografia.

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Crepúsculo...


Era crepúsculo quando saí de casa, ao redor da estrada pairava um nevoeiro matinal que cobria a vegetação mais próxima. O orvalho que pendia, desejoso por se aquecer nos primeiros raios de sol, ajudou a dar este toque cintilante, foi o suficiente para me cativar a tirar a fotografia.
Crepúsculo: vulgarmente conhecido pelo já imortalizado lusco-fusco.

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Bichanices!!!...




Eu sei, eu sei... estarão pensar certamente que este blog está a caminhar perigosamente e a passos largos rumo à bichanice total. Ele são gatos e gatinhos, velas e casinhas de bonecas, casinhas em miniatura... Infelizmente tudo não passou de uma infeliz coincidência, salvam-se apenas as fotos da Diana Krall... é de Homem, a Diana Krall é d´Homem! No entanto, estando a par do risco que corro, não pude deixar de colocar aqui esta fotografia.

Estes dois belos pares de jarras apareceram hoje de surpresa, como se de gente se tratassem, passeando-se sumptuosamente pelo quintal minha irmã. Pois bem, precisamos de lhes arranjar novos donos pois, por lá, já há espécimes de animais domésticos que cheguem. Se estiverem interessados não hesitem em contactar-me através dos comentários, eventuais pedidos não serão publicados afim de se preservar a privacidade. Obrigado pela compreensão.

domingo, 18 de outubro de 2009

Sintra em Fake Tilt&Shift...

Esta técnica visa a reprodução de um efeito criado por umas lentes especiais chamadas Tilt&Shift, assemelhando o motivo fotografado a uma pequena miniatura. "Fake", deve-se ao facto de este efeito ser criado por via digital imitando o original.
A fotografia que deu origem a este trabalho data de Janeiro deste ano, tirada do alto do Castelo dos Mouros do qual se desfruta de uma vista deslumbrante.
Espero que a vossa reacção ao ver este registo seja de dúvida, pois se assim foi, é porque o objectivo foi atingido, o de criar a sensação de uma Sintra em miniatura.

Whiskas com elas...


Um close up da minha gata, Kava.

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Dollhouse


Para alguns que estejam mais dentro desta matéria (sim Pedro e Cotas, é para vocês, não há muita mais gente aqui por estas bandas :) esta fotografia poderia ser um registo tilt & shift. Em alternativa, e mais em conta, talvez uma fake tilt & shift, no entanto, trata-se na realidade de uma casa de bonecas feita por um amigo para a sua filhota. Só queria que vissem o mobiliário de cozinha estilo Ikea totalmente feito à mão, é um regalo para a vista!

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Memória experimental...


Uma fotografia da Ermida da Memória no final da experiência de que resultou o video aqui colocado há dias.

sábado, 10 de outubro de 2009

1.900 anos de história


A ponte romana de Vila Formosa data do séc. II (DC). É impensável nos dias que hoje correm, projectar-se uma estrutura para que passados 1900 anos ainda desempenhe as funções para as quais foi projectada. Não passaria também, certamente, essa projecção de quase imortalidade nas mentes do povo romano, mas uma coisa de facto é verdade, a ponte ainda ali se encontra e em pleno funcionamento, apenas um senão, o tráfego está limitado a 20 toneladas, mas isso era muita fruta para as carroças da altura.

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

As raizes que queriam voar...


Devido às correntes mais fortes de inverno, estas árvores, à semelhança de muitas outras pelas margens daquela ribeira fora, viram parte das suas raízes desprovidas do seu sustento, daí o seu aspecto fantasmagórico.

Pequena Experiência

Deixo-vos aqui uma pequena experiência, trata-se de um vídeo criado com base em 50 fotografias tiradas com um intervalo de tempo de 10 seg. entre si. Este é o primeiro projecto de alguns vídeos de este género que pretendo fazer futuramente, de maior duração e melhor edição gráfica. Espero que tenham gostado.

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

4 Planos


Gosto particularmente desta fotografia pelos planos que apresenta, como que se de estratos rochosos numa falésia se tratassem. No primeiro podemos observar o motivo principal da fotografia, a árvore seca e o silvado, em segundo o milheiral que confere profundidade, as árvores destacam-se num terceiro plano onde a profundidade do segundo é abruptamente interrompida e, um quarto plano, bem no centro, a silhueta do castelo de Estremoz.

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Panorâmica do Monte Branco das Figueiras


Levantei-me bem cedo para obter esta fotografia, ainda cheira a fresca. Esta panorâmica de 180º foi tirada no Monte Branco das Figueiras, local onde a minha Mãe nasceu, no lado esquerdo pode ver-se o nascer do Sol (7h:20m). Foi pena que as nuvens à direita da foto tivessem ocultado a Lua que se avistava no horizonte, foi com o objectivo de capturar ambos os astros que me desloquei a este local, fica então para outra oportunidade, talvez na próxima Lua Cheia. Para ver mais em pormenor clique na imagem.

domingo, 4 de outubro de 2009

Neblina Matinal, ou será... Inércia Mental Matinal???

Estas duas fotografias têm uma história engraçada. Levantei-me cedo para ir tirar umas umas fotografias aqui nos arredores de Sousel. Tinha como primeiro objectivo fotografar o edifício em ruínas do post anterior, no entanto, logo à saída da vila avistei uma neblina a pairar sobre os campos ali perto sendo obrigado automaticamente a mudar de direcção logo nesse instante.
Parei o carro precisamente no local onde estas fotografias foram tiradas e tratei logo de montar o tripé que tinha deixado preparado no final da sessão nocturna da noite anterior. Depois de um primeiro disparo decidi retirar a máquina do suporte pois a luminosidade permitia velocidades de disparo suficientes para prescindir do tripé. Continuei por ali a disparar por aqueles campos fora e, o que inicialmente pensei tratar-se de uma breve saída, tornou-se numa longa maratona fotográfica, não em número de disparos mas em termos de quilómetros percorridos.
Ao fim de quatro horas de passeio matinal finalmente cheguei a casa para ser surpreendido com o desaparecimento do tripé!!! Onde estaria ele...? Onde seria que esta cabeça, que não se separa do corpo por imperativos da evolução humana que me são completamente alheios, teria deixado o tripé? Felizmente, já tinha passado tempo suficiente para que a inércia mental que invadiu este cérebro durante parte da manhã se tivesse desvanecido. Lá fui novamente ao local de início de jornada, e lá estava ele, abandonado... como um cão que fica privado da companhia do dono e aguarda o seu regresso no preciso local onde foi abandonado...
Que me sirva de lição!